Share, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

Qual o sentido da vida? Tenho uma possível resposta!

Quantas vezes você parou e se perguntou: qual o sentido da vida? Porque nasci? Para onde vou?

Perguntas assim nos pegam de surpresa como num sinal de trânsito, no aguardo de uma reunião, ao fazermos uma visita a alguém doente…

As respostas ficam ali, querendo sair, mas é algo tão misterioso e abstrato. Ocupamos nossa mente com outros pensamentos e engavetamos o assunto para uma outra hora!

Que ilusão!

Este tempo quase nunca chegará se não dermos um basta na correria e nas desculpas.

Yoga responde qual o sentido da vida.

Vamos juntos? Vamos criar este momento? Quem sabe ao final você se sentirá mais leve, feliz e cheio de energia para continuar…

Respire fundo! Desligue o celular, a campainha, o relógio…

Desligue-se um pouco e ligue-se em você, em seu coração.

Por um momento, permita-se desapegar de seus conceitos. Daquilo que já acha que sabe. Esta etapa é necessária, para que você abra um espaço mental para o “novo”.

Os sábios Yogues nos disseram que tudo está escrito dentro do nosso coração.

Os sábios chineses também nos dizem que a Consciência – o Espírito, mora no coração.

Já percebeu que há uma “ordem intrínseca”, ou interna em tudo?

Trata-se de uma Força Inteligente que a tudo rege, independente de nossa vontade.

Por exemplo: você sem querer leva um corte com a faca da cozinha. Imediatamente um mecanismo urgente de reparo celular começa a funcionar, para que o sangramento seja estancado e o ferimento inicie a cicatrização.

Este movimento é progressivo, constante e involuntário até que tudo esteja em harmonia como antes.

Sentido da vida. Ordem intrínseca.

A “ordem intrínseca”  está presente nos três reinos, com velocidade própria… E está lá, garantindo que tudo esteja em equilíbrio.

Se pesquisarmos fora do planeta, veremos a mesma lei! O macro repete o micro e vice versa.

O Yoga, concebido há muitos milênios, consiste num sistema atemporal de conhecimentos da Vida, à nossa disposição e aguardando a verdadeira vontade em fazermos o mergulho na sua Essência… Medite sobre isto!

Vamos filosofar? Qual o sentido da vida? Trabalhe sua mente:

“Como dois pássaros de plumagem dourada, inseparáveis companheiros, assim o Eu individual e o Eu imortal se empoleiram nos galhos de uma mesma árvore. O primeiro prova as frutas doces e amargas da árvore da vida; o segundo, nada experimentando, observa calmamente.” Mundaka Upanishad

E agora… Bem devagar medite neste, quantas vezes precisar! É um excelente exercício para atenção, memória e interpretação!

“De Brahman, que é o Eu, veio o éter, o ar; do ar, o fogo; do fogo a água; da água a terra, a vegetação; da vegetação, o alimento; do alimento o corpo do homem. O corpo do homem, composto da essência do alimento, é o invólucro físico do Eu.

Diferente do invólucro material é o invólucro vital. Ele está encerrado no invólucro físico e tem a mesma forma. Através dele, os sentidos executam a sua tarefa.

Dele os homens  e os animais extraem suas vidas. Ele determina a extensão da vida de todas as criaturas. Esse invólucro é o eu vivente do invólucro físico.

Diferente do invólucro vital é o invólucro mental. Ele está contido no invólucro vital e tem a mesma forma. O invólucro mental é o Eu vivente do invólucro vital.

Diferente do invólucro mental é o invólucro intelectual.Ele está encerrado no invólucro mental e tem a mesma forma. Diferente do invólucro intelectual é o invólucro do ego. Esse invólucro está contido no invólucro intelectual e tem a mesma forma.

Além de todos os invólucros está o Eu.” Swami Prabhavananda – Os Upanishads, p. 75 e 76

Sei que não é fácil!

Na escola, aprendemos a ler, escrever, calcular, as ciências, moral e cívica, leis…

Na verdade, são matérias preliminares que abrem portas à investigação dos conceitos sobre a Essência que há por trás de tudo.

A maioria das pessoas ainda mantém suas vidas nas órbitas do invólucro material, do ego, como se estes fossem o Real. Mas tudo é energia.

Por enquanto este “Eu” acima mencionado, manifesta-se quase que de maneira automática, sem profundidade, gerando pessoas infelizes, adoecidas…

É hora imprescindível de “acordar do sono”. Romper com a lentidão e preguiça mental, tirar os “sete véus”! Tornar os invólucros tão diáfanos e permeáveis, que nunca mais impeçam a manifestação da luz do Eu!

“Acordai! Acordai! Aproximai-vos dos pés do mestre e conhecei Aquele. O caminho é como a lâmina afiada de uma navalha. Dizem os sábios. É estreito e difícil de trilhar!” Katha Upanishad

Buscando o sentido da vida

Sendo assim, ao responder qual o sentido da vida, digo que ela é ascendente e infinita!

Nascemos para realizar a autoiluminação e que será conquistada minuto a minuto em tudo com o que nos envolvermos e com quem nos relacionarmos.

Para onde iremos ou para onde a Vida irá?

Ah, querido leitor… A Vida irá culminar no Infinito Amor, quando por fim estaremos aptos a entender o real significado da expressão Amor Incondicional.

Ouvi um grande sábio dizer: “Nenhuma ovelha se perderá”!

Quando este tempo chegar… Será a nossa vez de também dizer: “Eu e o Pai somos Um”!

Namaskar!

Texto: Dáfani Nardi

Foto inicial: Maria Lúcia Tavares Jorge

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *